Postagens

Two Four estreia com “Aurora”, pop-rock temperado com outras vertentes

Imagem
  A trajetória do pop-rock nacional foi muito glorificada nas últimas décadas, gerando bandas e artistas que se tornaram nomes imensamente populares no universo da música brasileira. Desde o boom dos anos 1980, quando nomes como RPM, Legião Urbana, Titãs, Barão e Ultraje invadiram as rádios e TVs do país, muitos outros nomes fizeram sucesso com as gerações que se seguiram, misturando a base do pop-rock oitentista com outros elementos do rock and roll. E novas bandas continuam apostando suas fichas nesse filão. Foi assim com a Two Four, banda de São José do Rio Preto/SP, lançou em abril deste ano seu primeiro EP, “Aurora” com faixas autorais.  “Aurora” mostra o grupo desfilando suas composições baseadas na aura do pop-rock, mas não se furtando de apostar em outras facetas musicais. Como na levada acessível do pop em “Não Evapora” (lick carregados de wah-wah e com suavidade nos breves solos) e “Morena” com incursões em climas de teclados (insides eletrônicos). Já “Sol” é também finca

Hammätrio – Organ trio lança novas composições ricas em diversidade sonora

Imagem
Uma memorável avalanche de bandas riopretenses tem se dedicado nos últimos anos a produzir música autoral. Nessa saudável fase, mais um grupo vem se dedicando a compor e expor seu próprio trabalho. É o Hammätrio, formado por músicos que atuam em outras bandas na cidade, tendo Lucas Rochas (Big Blues, Lucas Rocha Blues) na guitarra, Alberto Sabella (Estação da Luz, Beatolados) teclado/órgão e Guilherme Pala (Centro da Terra, Bebop Blues) na bateria, em sua formação. Ao longo dos últimos meses o Hammätrio vem lançando em suas redes sociais novas músicas que vem sendo produzidas. Das primeiras composições divulgadas, uma gama de sonoridades embala os padrões das músicas. Como “Macabro” (curta, com um teclado e seus efeitos com um clima de suave agonia), “Money Runner” (os arranjos parecem comandados pelo baixo, neste caso sintetizado, ascendência groove, inclusive em fraseados de guitarra funkeada, dinâmico uso de caixa e pratos), “No Quarto do Led” (jazzistica, com tempero de MPB,